10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Boa tarde pessoal! Depois de um tumultuado inverno regado à gripe suína, consegui voltar a escrever e compartilhar com vocês minhas experiências de consultório. Hoje eu trouxe a foto que recebi por e-mail da pequena Isabella Tagliaro Furtado, que foi flagrada degustando uma deliciosa banana! Parece que não teve problema com a introdução dos alimentos! hehehe

Vou aproveitar a foto e falar sobre os 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL que são as recomendações do Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde e Sociedade Brasileira de Pediatria para uma alimentação adequada nos 2 primeiros anos de vida. Espero que aproveitem!!

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL:

1 – Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou quaisquer outros alimentos.

Não precisamos nem comentar sobre a importância do leite materno! Em seguida teremos um capítulo falando exclusivamente sobre este tema. Porém, vale salientar que água e chás não são nutritivos, ou seja, não contém nutrientes que fazem o bebê crescer. Dessa forma, ao oferecer outros líquidos, estaremos saciando o bebê (enchendo o estômago), porém não oferecendo os nutrientes necessários para seu adequado desenvolvimento. Além disso, vários estudos demonstram que o uso de mamadeira estimula o desmame precoce.

2 – A partir dos 6 meses, introduzir de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos de idade ou mais.

Até o momento, os estudos indicam que a melhor idade para introduzir os alimentos é aos 6 meses. Portanto, não tem porque inventar, ou fazer diferente! O bebê pode até olhar com os olhos arregalados você comendo um bom pedaço de bolo de chocolate, mas ele não sabe o que é, e não deve saber até ficar grandinho, ok?! Além disso, há uma sequência para introduzir os alimentos, de forma que o organismo se adapte progressivamente à dieta da família.

3 – Após os 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes), três vezes ao dia, se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia, se estiver desmamada.

Após os 6 meses, a criança passará a receber papa de fruta, duas vezes ao dia, e papa salgada uma vez (no horário do almoço). Nem vou considerar a hipótese de cinco vezes, pois o pediatra aqui é meio chato, e não vai admitir criança de 6 meses, em acompanhamento, desmamada. Aos poucos, conforme a criança for se adaptando, a quantidade de refeições aumenta. Aos 7 meses, por exemplo, vamos introduzir a papa salgada da noite (janta!), sendo portanto, 4 refeições por dia, além do leite.

4 – A alimentação complementar deverá ser oferecida sem rigidez de horários, respeitando-se sempre a vontade da criança.
O horário realmente é a criança que define. Mas como ela ainda não está apta a abrir a geladeira, temos que organizar a vida dela conforme a nossa, certo? Então, para facilitar o dia-a-dia da família, vamos oferecer uma papa de fruta pela manhã, outra a tarde. Ao meio dia (ou um pouco antes, se preferir), podemos oferecer a papa salgada. Depois do sétimo mês, ofereceremos a janta, que pode ser em torno das 18h. O ideal é não oferecer a janta muito tarde, pois a criança tem que se acostumar a dormir cedo (entre 20 e 21h).

5 – A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida com colher; começar com consistência pastosa (papas/purês), e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar à alimentação da família.

Os alimentos devem ser cozidos em água e depois amassados com garfo. Não devemos, de forma alguma, liquidificá-los, pois a criança tem que se acostumar com a consistência e sabores diferentes. Crianças que são expostas a alimentos liquidificados ou peneirados, apresentam mais dificuldade em aceitar a alimentação habitual da família quando for a hora.

6 – Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é, também, uma alimentação colorida.

Você gostaria de comer papa de abóbora todos os dias, de manhã e a noite? Seu filho também não! Portanto, a papa deve ser diversificada, tanto no sabor quanto na cor. Vamos apresentando aos poucos, novos alimentos que serão introduzidos em papas diferentes: um dia mais verde, outro mais amarela, outro laranja e no outro avermelhada. Isso você faz, aumentando a quantidade de um ou outro alimento (chuchu, brócolis, beterraba, abobrinha, cenoura etc.). Dessa forma a criança experimenta sabores diferentes e se habitua com eles, não tornando sua alimentação monótona e restrita.

7 – Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.

Frutas, verduras e legumes devem ser a base da dieta das crianças. Não são apenas utilizadas como sobremesas ou um “plus” das refeições. Aproveite a oportunidade e tente você também se habituar com um estilo de vida mais saudável, alimentando-se melhor.

8 – Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação.

Parece desnecessário comentar este item, mas vamos lá! Não é somente pelo fato de que esses alimentos não fazem tão bem a nossa saúde, mas outro motivo muito importante justifica a necessidade de evitá-los: ao experimentar um alimento mais doce, a criança tende a rejeitar as frutas; da mesma forma, o salgado e as frituras (que são alimentos mais saborosos do que saudáveis), fazem com que a criança deixe de aceitar verduras e legumes. Portanto, se for muito necessário oferecer alimentos industrializados à criança, deixe para oferecê-los após os 2 anos de idade, quando seu hábito alimentar já está mais definido, reduzindo o risco de rejeição dos vegetais.

9 – Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o seu armazenamento e conservação adequados.

A mamadeira e utensílios utilizados no preparo dos alimentos do bebê devem ser imersos em solução de hipoclorito de sódio 2,5% (20 gotas de hipoclorito para 1 litro de água) por 15 minutos. A água para beber deve ser filtrada e fervida. Mesmo a água mineral deve ser fervida.
Na geladeira, conserve os alimentos em potes fechados e bem vedados ou pratos cobertos por papel filme. O ideal é oferecer alimentos frescos, preparados apenas para uma única refeição, porém, sabemos que às vezes, em uma emergência, há necessidade de recorrer ao alimento congelado. Neste caso, deve-se descongelar o alimento em “banho maria” para que não perca suas propriedades nutritivas.

10 – Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.

A criança doente precisa receber pequenas quantidades de alimento, várias vezes ao dia. Dessa forma conseguimos manter um nível de energia constante, para que ela consiga se recuperar. Oferecer alimentos preferidos não significar oferecer guloseimas! Devemos oferecer o que ela gosta, dentro de uma dieta saudável. Líquidos devem ser oferecidos com bastante frequência.

***************************

Acho que por hoje está bom! Se você gostou da postagem, deixe seu comentário! Compartilhe com a gente suas dúvidas e sugestões com relação à introdução da alimentação complementar. Este é um período difícil para os pais, onde surgem muitas dúvidas. Quem sabe sua experiência possa ajudar muitas outras famílias!

Um grande abraço

Tio Thiago.

3 comentários sobre “10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

  1. Esses 10 passos eu segui e sigo até hoje.
    Adoro as suas dicas e informações!
    A minha filha é super saudável, natureba!
    Obrigada!
    Grande abraço da nossa família.
    Kharin, Alexandre e Isadora (1 ano e 2 meses).

  2. Todas estas recomendações provam a necessidade de mudança na lei da licença maternidade. Como amamentar exclusivamente até os seis meses se voltamos a trabalhar aos quatro? Tá, dá para tirar o leite, mas e no dia em que por algum motivo não der? Tá, alguém pode levar a criança no trabalho da mãe… mas quem consegue fazer isso não é a maioria. Então o que fazer? O que oferecer? Pena que nem todas as mulheres trabalham no serviço público.

    um forte abraço,
    Claudia Formentin

  3. legal! “Seguimos a cartilha” direitinho com a Nicole e hoje ela come super bem, não rejeita quase nada. Só tenho uma dúvida em relação ao café…mesmo o descafeinado está proibido
    para ela (1 ano e 4 meses)?

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s