Desenvolvimento precoce de adiposidade em filhos de mães diabéticas

Um artigo publicado recentemente na revista Diabetes Care, da Associação Americana de Diabetes, traz um resultado bastante interessante sobre uma possível via de desenvolvimento de problemas metabólicos.

Segundo os autores, filhos de mães com diabetes mellitus gestacional apresentam maior adiposidade corporal nos primeiros meses de vida quando comparados a crianças nascidas de mães sem diabetes. A quantidade de tecido adiposo e a distribuição da gordura corporal foram avaliadas com duas semanas de vida e depois entre 2 e 3 meses, utilizando-se a ressonância magnética. Participaram do estudo 42 bebês, filhos de mães diabéticas (com bom controle glicêmico durante a gestação), e 44 pequenos sem esta condição (grupo controle). Os lactentes de ambos os grupos receberam leite materno, predominantemente.

Na primeira avaliação (média de 11 dias de vida), a quantidade de tecido adiposo era igual nos dois grupos. Quando reavaliados com 10 semanas de vida (em média), os bebês nascidos de mães diabéticas já apresentavam maior quantidade de gordura corporal quando comparados ao grupo controle.

E qual a importância disso? Estamos falando de bebês que tem uma maior tendência de acumular gordura já aos 10 meses de vida! Será que estamos demorando muito tempo para tomar as condutas preventivas adequadas? Qual o melhor alimento para estes bebês na impossibilidade do aleitamento materno? Os autores terminam o artigo sugerindo que a redução da adiposidade no período pós-natal pode ser um caminho para a redução de riscos futuros à saúde. Quem sabe?!

Na prática, a avaliação de adiposidade (quantidade de gordura corporal) das crianças pequenas não é rotineiramente realizada. Porém, podemos controlar o peso e o crescimento, utilizando materiais simples como balança e antropômetro (régua que mede os bebês), com grandes benefícios. Ao avaliar o bebê mês a mês, podemos contribuir muito na prevenção de doenças crônicas comuns do adulto. As medidas devem ser realizadas de forma criteriosa e sempre confirmadas. Pesar não é uma tarefa difícil, mas você tem que saber o que fazer com o dado que obteve. Não esqueça que já foi o tempo em que saudável era o bebê gorducho!